Egressa da Feevale é finalista em concurso de moda inclusiva | Universidade Feevale

Egressa da Feevale é finalista em concurso de moda inclusiva

22/09/2020 - Atualizado 11h51min

Kátia

Kátia Cristina Kayser de Oliveira desenvolveu coleção para cadeirantes

A egressa do curso de Moda da Universidade Feevale, Kátia Cristina Kayser de Oliveira, está na final do 8º Prêmio Brasil Sul de Moda Inclusiva. O prêmio selecionou, entre projetos de toda a região Sul do Brasil, 20 estudantes para apresentarem suas coleções de moda inclusiva em um desfile que conhecerá o vencedor. O evento acontecerá dia em 27 novembro, às 19h, no Centro de Eventos da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), em Florianópolis (SC). O 8º Prêmio Brasil Sul de Moda Inclusiva é promovido pelo Instituto Nação Brasil, com apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de Santa Catarina (Senai-SC).

Kátia apresentará uma coleção pensada para cadeirantes, desenvolvida para o seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), enquanto acadêmica, no primeiro semestre deste ano. A inspiração veio com a convivência com seu afilhado, Guilherme Finotti, que possui paralisia cerebral. Finotti graduou-se em Sistemas para Internet e concluiu especialização em Engenharia de Software Aplicada para Dispositivos Móveis pela Feevale e, há cinco anos, trabalha na área de TI (tecnologia da informação) de um banco. “Esse trabalho exige, por vezes, uma roupa mais social, por isso, desenvolvi uma modelagem para atender ao segmento de moda inclusiva, a partir da identificação das dificuldades e necessidades que as pessoas com paralisia cerebral encontram ao vestir-se”, explica Kátia.

Dessa forma, foram produzidos os looks da coleção. “Optei por fazer roupas para ocasiões que exigem um traje entre o casual e o formal, aplicando adaptações na modelagem plana masculina. Também utilizei tecidos com elastano, aviamentos adequados e, também, tecnologias como antimicrobianos e absorventes, tudo visando o melhor conforto, funcionalidade e vestibilidade do vestuário”, diz a egressa.

Para Kátia, é uma grande satisfação poder apresentar um trabalho em que consegue atender, mesmo que em parte, às necessidades apresentadas por pessoas com deficiência, ou com paralisia cerebral, que foi o foco de seu estudo.

De alguma forma, é como contribuir para que haja igualdade entre todas as pessoas. Cadeirantes ou andantes, todos têm o direito de vestir a roupa que desejarem, de se sentirem confortáveis, elegantes, pertencentes à sociedade que habitam”, completa a egressa, que foi orientada pela professora Regina Heidrich e criou a sua marca – Atelier Kátia Kayser – em uma disciplina na Instituição.

Abaixo, looks produzidos vestidos pelo entrevistado no TCC, Andrey Arthur Barbosa Boeno, 18 anos, estudante de Novo Hamburgo. Fotos produzidas pela própria egressa:

Andrey

Andrey2