SOS Feevale: risco ou emergência? | Universidade Feevale

O que fazer em casos de emergência?

Banner central - SOS Feevale: 51 3586 8800 - ramal 8606 | 51 99972 9643

SE VOCÊ PRESENCIAR ALGUMA SITUAÇÃO DE RISCO OU EMERGÊNCIA, COMUNIQUE O FATO AOS AGENTES PATRIMONIAIS OU AO CFTV PELO SOS FEEVALE.

O contato está disponível em diferentes locais:



SOS FEEVALE


  • 51 3586 8800 - ramal 8606
  • 51 99972 9643

Manual de Gerenciamento de Riscos

Das incertezas e necessidades de planejamento


Toda organização enfrenta riscos e incertezas que podem gerar crises. Nesses momentos, quando o inesperado acontece, as regras e os procedimentos rotineiros podem não ser suficientes ou adequados. Por isso, a importância do planejamento prévio para estabelecer um plano de gerenciamento de riscos capaz de indicar caminhos de ação e prevenção. Para ser eficaz, esse planejamento deve indicar os procedimentos que precisam ser desenvolvidos, implementados e melhorados, continuamente, integrando o gerenciamento de riscos a toda organização, em suas várias áreas, níveis, funções, atividades e projetos. Isso permite a assertividade e a coerência frente a determinados problemas e mecanismos de correção, que podem ser executados em tempo hábil. A fim de orientar as ações e tornar público o planejamento da Universidade Feevale perante as situações de risco, foi elaborado o presente Manual de Gerenciamento de Riscos. A proposta é que todos estejam atentos aos riscos, como forma de prevenção dos impactos que possam comprometer o desempenho e a imagem da Instituição. Dessa forma, é preciso que haja comprometimento de todos da Universidade.

Propósitos e benefícios

Gerenciamento de riscos como fator de proteção e segurança para evitar uma possível crise

Com o gerenciamento de riscos, espera-se evitar decisões improvisadas e informações distorcidas, disseminadas sem embasamento ou orientação adequada. Ao adotar um planejamento preventivo, a Universidade Feevale busca desenvolver uma cultura organizacional voltada para a abordagem das situações de incerteza que possam desencadear ameaças à segurança ou comprometer os objetivos organizacionais, evitando, assim, que tais ocorrências tomem proporções mais graves e ocasionem uma crise.


Entre os principais benefícios do gerenciamento de riscos, destacam-se:
  • otimização de procedimentos em situações de riscos;
  • adoção de metodologia própria no gerenciamento de riscos e crises;
  • alinhamento junto aos funcionários para os devidos encaminhamentos
  • em situações de riscos;
  • mitigação dos impactos, caso se instale a crise;
  • mais atenção ao desempenho de segurança e proteção;
  • proteção e preservação da imagem institucional.

Metodologia: definição dos cenários de riscos

A fundamentação do trabalho de gerenciamento de riscos da Universidade Feevale está em acordo com a ISO 31000, que corresponde à norma internacional sobre a Gestão de Riscos Corporativos.

Seguindo tal normativa, a partir de um mapeamento do histórico institucional, foram realizadas entrevistas com integrantes do Grupo Gestor Estratégico (GGE), presidente da mantenedora e gestores da Instituição, a fim de:

  • resgatar situações de riscos e crises ocorridas na Feevale;
  • mapear cenários nos quais pudessem ser identificadas as principais
  • vulnerabilidades;
  • entender o que, na atualidade, representaria uma crise para a Instituição.

Em seguida, foi utilizada uma metodologia própria, desenvolvida por um profissional especializado nesta área, para o levantamento de cenários e qualificação de cada potencialidade. Na avaliação desses cenários, foi utilizado o Procedimento Mosler com adaptação específica, a fim de medir e identificar a evolução dos riscos. Os cenários de riscos foram avaliados a partir das mensurações e escalas a seguir.

  1. Escala de danos que afetam a atividade principal.
  2. Escala de necessidade de substituição de bens, serviços e instalações.
  3. Escala dos efeitos e perturbações à imagem da organização.
  4. Escala de alcance e extensão que o dano pode causar à organização.
  5. Escala de exposição e probabilidades.
  6. Escala para as perdas financeiras ocasionadas pela concretização do perigo.

Adotou-se, também, o método de Willian T. Fine, sem a utilização do critério de valor monetário, para organização e orientação nas mensurações, análises e nivelamento de riscos e possíveis crises.

A organização dos cenários de riscos e suas escalas teve como referência o Planejamento Estratégico, envolvendo as áreas de Eventos, Marketing Digital e Servidores TI, conforme exemplificação a seguir.

Cenário 1: de baixa complexidade
Cenário 2: de média complexidade
Cenário 3: de alta complexidade

A organização seguiu duas abrangências: uma geral e outra específica. A primeira teve sua atenção voltada à Universidade Feevale como um todo. A segunda focou nas particularidades de cada local ou unidade. Tais cenários foram organizados da seguinte maneira:

1: Abrangência Geral – para toda a Universidade Feevale e tendo como referência o Planejamento Estratégico – envolvendo as áreas de Marketing Digital e Servidores TI.

2: Abrangência Específica – para cada prédio ou unidade. Apesar de estar fundamentada no Planejamento Estratégico, o foco está nas particularidades de cada unidade ou local, envolvendo as áreas de Eventos, Segurança e Patrimônio e Brigada de Incêndio, Saúde e Trabalho.

Riscos e crises - definições

Com base na norma ISO 31000, aplicam-se os seguintes termos e definições:

  • Incerteza: estado, mesmo que parcial, da deficiência das informações relacionadas a um evento, sua compreensão, seu conhecimento, sua consequência ou sua probabilidade.
  • Evento: ocorrência ou mudança em um conjunto específico de circunstâncias com potencial de gerar riscos ou crises, tais como: episódio desgastante; situação anormal, instável e complexa; estado de tensão ou conflito; acontecimento súbito, explosivo ou inesperado.
  • Riscos: circunstâncias/incertezas causadas por fatores externos e internos, que vão contra os objetivos da instituição/organização. Os riscos podem ser definidos e mensurados.
  • Fonte de risco: elemento com potencial para originar risco.
  • Nível de risco: magnitude de um risco ou conjunto de riscos, expressa pela combinação das probabilidades e suas consequências.
  • Crise: situação caracterizada pela ocorrência de um evento ou mais eventos que ameacem a integridade da organização, afetem seus objetivos e prejudiquem suas operações normais, podendo comprometer sua imagem e reputação.
  • Gerenciamento de riscos: tem finalidade preventiva, identifica situações e orienta as ações a serem tomadas mediante cenários de riscos ou crises que possam ocorrer na instituição.
  • Gerenciamento de crise: refere-se às ações desenvolvidas pela organização, uma vez estabelecida a ocorrência de uma crise.

Grupo de Gerenciamento de Crises (GGC)

O Grupo de Gerenciamento de Crises (GGC) foi criado com a finalidade de identificar situações e orientar as ações a serem tomadas mediante cenários de riscos ou crises que possam ocorrer na Universidade Feevale. Compõem o grupo:

  • Chefe de Gabinete
  • Gerente de Marketing
  • Gerente de TI
  • Gerente de Operações

DAS RESPONSABILIDADES DO GGC

Ao Grupo de Gerenciamento de Crises cabe atuar de forma preventiva, diminuindo, dessa forma, a probabilidade da ocorrência de uma crise. Assim, desenvolvem ações e buscam agilidade nas tomadas de decisões, quando identificados os riscos para reduzir os impactos por eles causados.

Gerenciar situações de riscos e crises.
Definir:
  • modelos, metodologias, critérios e parâmetros para o gerenciamento dos riscos;
  • potenciais situações de riscos;
  • estratégias para gerenciamento dos riscos;
  • procedimentos de emergência;
  • planos de contingência referentes ao gerenciamento de riscos e crises;
  • planos de recuperação pós-crise.

Acompanhar:
  • medidas implementadas para mitigação dos riscos;
  • evolução da exposição aos riscos;
  • mudanças nos cenários externo e interno, incluindo alterações nos critérios de riscos que possam exigir revisão do plano de gerenciamento.

SITUAÇÕES DE RISCOS

Considerando o alcance e a extensão do dano causado, a sua probabilidade de ocorrência, a perda financeira ocasionada pelo perigo e os efeitos e perturbações à imagem da Universidade Feevale, foram identificados os principais cenários que podem representar ameaças significativas à Instituição.

As situações estão agrupadas segundo sua natureza:

Comportamental
  • agressão física, moral ou psicológica;
  • boatos, rumores, mentiras;
  • ato que implique dano, perda, subtração ou destruição de objetos, bens e valores;
  • reclamações.

Ambiental
  • desastres naturais (vendaval, temporal, queda de raios, chuva de granizo, inundações etc).

Estrutural e material
  • incêndio, choque elétrico, pane em equipamentos, acidentes com produtos químicos, veículos, máquinas ou equipamentos;
  • acidentes envolvendo estrutura física;
  • servidores / TI: falhas, sabotagem.

Saúde física e mental
  • situações em decorrência de doença preexistente;
  • mal súbito;
  • ferimentos;
  • transtornos mentais;
  • uso de drogas/bebidas alcóolicas;
  • acidente de trabalho.

Após a definição das situações de riscos, o Grupo de Gerenciamento de Crises passou a identificar a potencialidade de cada situação e suas principais causas e consequências.

Plano de gerenciamento de riscos

O gerenciamento de riscos existe para planejar e alinhar ações que reduzam o efeito das incertezas, com base no histórico e identificação de novas situações que vão contra os objetivos da Universidade. Esse planejamento deve ser elaborado, considerando a cultura da Instituição, e alinhado ao contexto organizacional.

ETAPAS DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

Identificação
  • Reconhecer e descrever as fontes e eventos.
  • Identificar as causas e consequências potenciais.

Análise
  • Compreender a natureza dos riscos.
  • Determinar o nível de risco.

Avaliação
  • Comparar os resultados da análise de riscos com seus critérios para determinar a magnitude aceitável ou tolerável.

Tratamento
  • Modificar os riscos: evitando, assumindo, removendo, alterando, compartilhando e retendo-os.
  • Acompanhar as modificações dos riscos.*

*Os riscos podem sofrer alterações, de acordo com o local, fluxo de pessoas, atividade fim, perfil do público etc.

Comunicação
  • Estabelecer mecanismos de comunicação e reportes internos e externos.
  • Disponibilizar processos de consulta às partes interessadas.

Monitoramento
  • Verificar, supervisionar e observar, de forma crítica, a situação executada, continuamente, a fim de reconhecer as mudanças requeridas ou esperadas.
  • Mensurar o desempenho do gerenciamento de riscos utilizando indicadores, os quais devem ser analisados criticamente, de forma periódica, para garantir sua adequação.

FLUXOGRAMA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS E CRISES

Ações de comunicação

A Universidade Feevale busca garantir a transparência e o acesso à informação aos seus públicos. Baseado nessa premissa, o Grupo de Gerenciamento de Crises (GGC) tem como um de seus princípios assegurar a rapidez na divulgação de informações sobre incidentes que venham a ocorrer, prevenindo, assim, reflexos negativos na imagem da Instituição. Em todas as situações, o setor de Marketing, por meio do núcleo de Assessoria de Imprensa, sempre deverá estar envolvido.

A comunicação preventiva

Entre as ações, destacam-se as seguintes medidas:

  • monitorar, de forma contínua, a mídia, os canais de relacionamento e as redes sociais, a fim de identificar riscos ou detectar fatores que possam gerar uma crise;
  • capacitar porta-vozes*, a partir da realização de media training**, para responder às situações de crise;
  • facilitar a comunicação com os públicos de interesse da Instituição, promovendo o diálogo e o bom relacionamento com eles.

*Em situações de crise, o porta-voz é a pessoa que fala com a mídia, principalmente nos casos em que a comunicação deve ocorrer de forma presencial. Por esse motivo, essa pessoa deve estar previamente preparada e ter total domínio sobre os fatos e as consequências, de modo a esclarecer o ocorrido e dar o posicionamento da Instituição, demonstrando segurança na condução da crise.

**O media training consiste em um processo de treinamento, no qual os interlocutores são capacitados para estabelecer o relacionamento com a mídia.

A COMUNICAÇÃO QUANDO INSTALADA A CRISE

Uma vez determinada pelo GGC a existência de uma situação de crise, cuja magnitude possa causar impacto à imagem da Instituição, devem ser realizados os seguintes procedimentos:

  • monitorar os canais de relacionamento, redes sociais e mídia;
  • definir o porta-voz conforme a situação;
  • elaborar a nota oficial com o posicionamento da Instituição;
  • informar os públicos da Universidade de forma contínua. 

PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO E REPORTE INTERNOS

A fim de evitar boatos e informações distorcidas que possam prejudicar a imagem institucional, a Universidade Feevale utiliza alguns canais de comunicação:

  • Espaço Feevale
  • Informativo Interno (por e-mail)
  • Encontros presenciais - de acordo com a gravidade do fato

Recomendações

Geralmente as pessoas têm dificuldade para distinguir e separar o lado pessoal do profissional. Assim, um comentário ou opinião pessoal emitida por algum funcionário da Universidade Feevale pode ser interpretado como a posição social da Instituição. Por isso, para evitar essas situações, este Manual aponta algumas recomendações.

  • Mantenha em sigilo as informações que ainda não foram divulgadas oficialmente pela Universidade.
  • Comunique ao setor de Marketing se perceber informações negativas sobre a Instituição.
  • No caso de algum jornalista entrar em contato com o setor onde está o foco do problema, a orientação é encaminhá-lo ao setor de Marketing – núcleo de Assessoria de Imprensa.
  • Evite falar em público sobre situações do seu trabalho que possam comprometer a imagem da Instituição.
  • Se você tem discordâncias ou críticas aos processos da Universidade, resolva internamente por meio dos canais abertos para isso.

Cuidado nas redes sociais

Tudo o que você posta pode ser interpretado pelos usuários das redes como uma manifestação da Universidade.

  • Evite postar qualquer conteúdo que possa causar dano à imagem da Instituição.
  • Comunicações de caráter interno não devem ser compartilhadas com outros colegas por redes sociais. Há mecanismos internos de comunicação para isso.
  • Evite fazer parte de comentários especulativos a respeito de posicionamentos ou ações da Instituição em situações de crise.
  • Pense bem sobre o que você vai publicar a respeito da Feevale nas redes sociais, pois seus comentários podem ser compartilhados por um número imensurável de usuários das redes.
  • Lembre-se: em todas situações, a Universidade definirá um porta-voz para responder oficialmente pela Instituição. Entretanto, se você publicar informações e comentários nas redes sociais referindo-se a essa situação, sua rede de relacionamento poderá considerar que você fala em nome da Instituição.

O QUE NÃO SE PODE FAZER

  • Falar ou escrever em nome da Feevale sem estar autorizado para isso.
  • Representar a Instituição sem a devida autorização.
  • Criticar publicamente as decisões institucionais.
  • Divulgar informações confidenciais.
  • Antecipar decisões que ainda não foram divulgadas oficialmente.

PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO E REPORTE EXTERNOS

O setor de Marketing será o responsável pela elaboração do material de divulgação, como notas, releases ou informativos. Em uma situação de crise, a Instituição estabelecerá comunicação com seu público externo por meio dos seguintes canais:

  • Fale com a Feevale
  • Site
  • E-mail
  • Redes sociais
  • Mídia paga
  • Imprensa: release, nota oficial, coletiva
A comunicação deverá ser simples, direta e transparente: o que aconteceu, por que aconteceu e o que será feito para solucionar o caso e evitar que tal situação ocorra novamente.

Banner central - SOS Feevale: 51 3586 8800 - ramal 8606 | 51 99972 9643

O QUE FAZER EM CASOS DE EMERGÊNCIA?

SE VOCÊ PRESENCIAR ALGUMA SITUAÇÃO DE RISCO OU EMERGÊNCIA, COMUNIQUE O FATO AOS AGENTES PATRIMONIAIS OU AO CFTV PELO SOS FEEVALE.

O contato está disponível em diferentes locais:



SOS FEEVALE


  • 51 3586 8800 - ramal 8606
  • 51 99972 9643

Documento

Manual de riscos | SOS Feevale

Visualizar

Dúvidas ou sugestões?

Teremos a satisfação de retornar sua mensagem. Queremos contribuir com cada passo que você der em busca do conhecimento.

Atendimento Feevale

Câmpus I

De segunda a sexta-feira, das 7h15min às 22h15min.

Câmpus II

De segunda a sexta-feira, das 8h às 22h15min.
Aos sábados, das 8h às 12h.

Câmpus III

De segunda a sexta-feira, das 9h15min às 11h30min e das 12h30min às 18h.

Retornaremos o seu contato no prazo máximo de 72 horas úteis, a contar do momento de conhecimento do contato, podendo este ser ampliado em situações mais complexas.

Atendimento Feevale

Os atendimentos presenciais realizados no setor Atendimento Feevale de ambos os câmpus podem ser agendados.

Localização: sala 207 – 2º andar
Horário: de segunda a sexta-feira, das 7h15min às 22h15min.
Localização: sala 101 – térreo do prédio Lilás.
Segunda a sexta-feira, das 8h às 22h15min.
Aos sábados, das 8h às 12h.
Localização: sala 003 - pavimento 0 do prédio Sede.
Segunda a sexta-feira, das 9h15min às 11h30min e das 12h30min às 18h.
Verifique os demais setores que disponibilizam o atendimento agendado.